Cidades

Acupuntura como forma de ajudar em tratamentos de oftalmologia

Dr. Henrique Sidi*

A Acupuntura – terapia milenar chinesa executada por meio da inserção de agulhas na profundidade dos tecidos corporais – foi criada há mais de três mil anos na China e, desde 1995, é reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), estando disponível no SUS e nos serviços públicos e privados de saúde. Pouco se comenta, mas a Acupuntura traz comprovados benefícios no tratamento dos males que acometem a estrutura ocular.

Os problemas oftalmológicos mais comuns são os vícios de refração, relacionados à anatomia ocular e que geram a necessidade de uso de óculos (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia). Além deles existe uma gama de doenças inflamatórias, infecciosas e degenerativas, conjuntivites, alergias, olho seco, glaucoma, calázios (terçóis), catarata, degenerações de mácula, uveítes – quadro inflamatório da úvea – problema ocular que é associado a doenças reumáticas e uma das principais causas de cegueira no mundo, entre outras.

A Acupuntura possui uma indicação muito interessante para o tratamento de alguns deles, tais como doenças inflamatórias e alérgicas. Já nas doenças infecciosas e degenerativas, a Acupuntura pode ser um ótimo tratamento coadjuvante. Também pode ser extremamente resolutiva para olhos secos, conjuntivites alérgicas, inflamações oculares externas, terçóis, tremores e espasmos nas palpebras. De forma combinada com medicações ocidentais, é útil em infecções e inflamações inclusive do polo posterior, como uveítes, glaucoma e inflamações da retina. Pode também reverter estrabismos adquiridos através de doenças metabólicas como o Diabetes Mellitus.

A técnica pode ser aplicada em pacientes de todas as idades com resultados excelentes, devido ao seu efeito anti-inflamatório e analgésico. Nos casos de pacientes com alterações que muitas vezes a medicina ocidental oferece resultados insatisfatórios – olhos secos, alergias e inflamações maculares, sequelas de AVC -, a Acupuntura poderá ter um efeito bastante superior. A melhora do quadro do paciente irá depender de qual estrutura está acometida e do grau de cronicidade da doença, podendo ter resultados ótimos em três ou quatro sessões.

Por fim, é importante salientar que a prática da Acupuntura somente pode ser realizada por profissionais da medicina, da medicina veterinária e do cirurgião-dentista – cada qual em seu campo de atuação, também definidos por lei. O exercício da técnica, se realizado por qualquer outro profissional, é ilegal e pode causar sérios danos à saúde do paciente.

Como funciona – O mecanismo de ação da Acupuntura funciona a partir da inserção da agulha que estimula terminações nervosas presentes na pele e nos tecidos subjacentes, principalmente nos músculos. Esses estímulos seguem pelos nervos periféricos até o sistema nervoso central (medula e cérebro), o que faz liberar diversas substâncias químicas conhecidas como neurotransmissores que desencadeiam uma série de efeitos importantes, tais como, analgésico, antiinflamatório e relaxante muscular, além de uma ação moduladora sobre as emoções, os sistemas endócrino e imunológico e sobre várias outras funções orgânicas.

O tratamento inicia-se por uma detalhada e completa anamnese, a partir desse exame detalhado, define-se o tipo de técnica empregada – com microssistema, como Auriculoacupuntura, com agulhas, sementes vegetais, laser ou eletroacupuntura, podendo ser, com sucesso, empregada na oftalmologia.
*Dr. Henrique Sidi, médico oftalmologista, especialista em Acupuntura e membro do Colégio Médico de Acupuntura de São Paulo (CMAeSP).