CidadesIndaiatuba

CPFL encontrou um “gato” a cada seis inspeções e quase um por dia em Indaiatuba neste ano

HUGO ANTONELI JUNIOR

INDAIATUBA – Nem tudo o que se “furta” pode ser visto e infelizmente os desvios de energia elétrica estão entre os mais encontrados em todo o País diariamente. De acordo com a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), o que foi “roubado” pelos chamados “gatos” na energia elétrica daria para sustentar 196 casas da cidade durante um ano. Ao todo foram realizadas 998 inspeções e encontradas 147 irregularidades, ou seja, uma a cada 6,7 fiscalizações. Até o final de junho o ano teve 181 dias, o que equivale a praticamente 0,8 irregularidades encontradas por dia. Os dados referentes ao primeiro semestre deste ano foram divulgados na quinta-feira (19).

Na comparação com o mesmo período do ano passado foram cerca de 100 inspeções a menos, mas o número de irregularidades encontradas pela concessionária de energia aumentaram. Nos seis primeiros meses de 2017 foram 1.082 inspeções contra 998 neste ano. As irregularidades foram 142 em 2017 e 147 até o dia 30 de junho. O volume de energia recuperado foi de 353 MWh.

Região

O levantamento também apresentou dados de Sorocaba, Itu e Salto. No primeiro semestre de 2018, a concessionária registrou 1.324 casos de irregularidades após a realização de 7.688 inspeções pelas equipes de campo. Sorocaba registrou o maior número de irregularidades identificadas, alcançando 798 ocorrências entre 5.178 inspeções realizadas, ou seja, um caso a cada seis inspeções executadas.

Em segundo lugar vem Itu, onde a CPFL Piratininga identificou 246 irregularidades após 984 inspeções. Isso significa que 25% das inspeções revelaram algum tipo de fraude ou furto na cidade. No primeiro semestre de 2018, considerando as cidades de Sorocaba, Itu, Salto e Indaiatuba, a CPFL Piratininga conseguiu recuperar um volume de 3.177 MWh de energia furtada. Esse volume de energia seria suficiente para abastecer 1.765 famílias compostas por até quatro pessoas pelo período de um ano.

Cidades

Período

Inspeções Realizadas

Irregularidades

Energia recuperada (MWh)

Casas por 1 ano

Sorocaba

2017 (1SEM)

5.441

1.425

3.420

1.900

2018 (1SEM)

5.178

798

1.915

1.064

Itu

2017 (1SEM)

790

169

406

226

2018 (1SEM)

984

246

590

328

Indaiatuba

2017 (1SEM)

1.082

142

341

190

2018 (1SEM)

998

147

353

196

Salto

2017 (1SEM)

454

80

192

107

2018 (1SEM)

528

133

319

177

Total

2017 (1SEM)

7.767

1.816

4.359

2.423

2018 (1SEM)

7.688

1.324

3.177

1.765

Fiscalização

Segundo o diretor Comercial da CPFL Energia, Roberto Sartori, os investimentos em inteligência no monitoramento têm sido um grande aliado na identificação das fraudes e furtos de energia nas redes da distribuidora. “A integração com os órgãos públicos e autoridades policiais também tem sido fundamental nessas operações que visam o combate às ligações clandestinas. Todas essas ações possibilitaram a identificação de um número maior de irregularidades na rede em 2018”, afirma o Sartori.

Consumidores da CPFL Piratininga podem contribuir para o combate às fraudes e furtos por meio dos canais de denúncia disponibilizados pela concessionária. Denúncias podem ser realizadas pelo e-mail [email protected]com.br, pelo telefone 0800 774 4286 ou pelo site (clique no banner “Serviços On-line” e em seguida entre na aba “Serviços Técnicos”. Escolha a opção “Denúncia de Furto de Energia”).

Furtos e fraudes são crime

As fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal, e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção. Além disso, para os fraudadores também são cobrados os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu o roubo, acrescidos de multa. As distribuidoras do Grupo CPFL, que atuam em São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná, têm atuado em parceria com o poder público para coibir estas práticas.

Além de crime, as irregularidades contribuem para tornar a conta de luz mais cara para todos os consumidores. Isso ocorre porque a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reconhece nas chamadas “perdas comerciais”, como são denominados os furtos e as fraudes no jargão do setor elétrico, uma parcela do prejuízo da distribuidora com o valor da energia furtada e dos custos para identificar e coibir as irregularidades.

Outra consequência negativa dos furtos e fraudes de energia é a piora na qualidade do serviço prestado, prejudicando todos os consumidores. As ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas, deixando o sistema de distribuição mais suscetível às interrupções no fornecimento de energia. A regularização destes clientes traz cidadania para essa parcela da população e beneficia todos os consumidores com um serviço de melhor qualidade.

Consumidores que adotam esta prática, popularmente conhecida como “gato”, também estão colocando em risco as suas vidas e da população. Pessoas não habilitadas que tentam manipular o medidor de energia ou realizar ligação direta na rede elétrica correm o risco de choque e acidentes graves, que podem ser fatais.

A fraude e furto de energia também tem um impacto social significativo, uma vez que não há arrecadação de impostos sobre a parcela de energia furtada. Isso diminuiu a disponibilidade de recursos do poder público para investimentos em saúde, segurança e educação.

foto: arquivo/Comando Notícia