IndaiatubaPolícia

Dois foragidos são presos pela Polícia Civil de Indaiatuba em operação

O governador Geraldo Alckmin entrega Central de Polícia Judiciária na cidade de Marília, assina autorizo de repasse para APAEs e 45 viaturas de Policia Civil para regiões do interior de São Paulo.Data: 10/02/2014. Local: Marília/SP. Foto: Diogo Moreira/A2 FOTOGRAFIA

HUGO ANTONELI JUNIOR

Dois homens foram presos nesta quarta-feira (24) em Indaiatuba (SP) na operação PC27 da Polícia Civil. Ambos os casos eram de pensão alimentícia. Uma prisão foi de um homem de 42 anos, ajudante de motorista, cujo mandado foi expedido na cidade de Cruzeiro do Oeste, Paraná. A detenção aconteceu no Jardim do Vale. A segunda prisão foi de um ajudante geral de 36 anos no Maria Helena. A ordem de prisão havia sido expedida pela Justiça local.

A operação aconteceu em todo o País e em Indaiatuba encerrou por volta das 17 horas. Os dois presos foram encaminhados à Campinas (SP) onde passaram pelo Instituto Médico Legal (IML) antes de serem levados à carceragem. De acordo com o chefe do Setor de Investigações Gerais (SIG), Marcos Morelli, os mandados são dos anos de 2017 e 2018 e houve tentativa de efetuar as prisões anteriormente em outras operações, mas os foragidos não foram encontrados, o que mudou desta vez.

De acordo com o comando das forças policiais, em todo o estado, mais de 4,6 mil policiais participam da ação. As atividades fazem parte de um conjunto de ações deflagradas em todo o território nacional. Até o início da tarde, 439 pessoas foram presas obedecendo a mandados expedidos por condenação ou prisão preventiva. Outras 192 foram presas por razão civil. Ao todo, 631 pessoas foram detidas.

Estrutura da operação

Agentes das 27 unidades federativas saíram às ruas para cumprimento de mandados de prisão. Os policiais de São Paulo integram equipes do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), da Macro São Paulo (Demacro) e de todos os Departamentos de Polícia Judiciária do Interior (Deinters).

Além disso, há participação de unidades especializadas como os Departamentos Estaduais de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Investigações Criminais (Deic), de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) e da Delegacia de Capturas e Delegacia Especiais (Decade).

A ação, coordenada pelo Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (CONCPC), tem como objetivo retirar de circulação foragidos da Justiça, que cometeram crimes graves como roubo, homicídio, estupro, participação em crime organizado, entre outros. A operação contou com levantamento de inteligência de cada umas das polícias envolvidas para maior sucesso ao longo das atuações em campo. O nome da ação é uma referência à união e padronização de todas as polícias civis do país.

foto: SSP