campinasCidades

Em greve, funcionários dos Correios protestam no Centro de Campinas

Em greve desde 17 de agosto, trabalhadores de Campinas (SP) da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) realizaram uma manifestação na manhã desta sexta-feira (11), no Centro. Os funcionários se reuniram nas imediações da agência central e realizaram uma passeata pelo entorno, que começou no fim da manhã e terminou por volta do meio-dia e meia.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Correios de Campinas e Região (Sintect-Cas), a passeata percorreu as ruas Regente Feijó, José Paulino, Campos Salles e Francisco Glicério. O ato terminou com o retorno à agência central.

Uniformizados, funcionários dos Correios realizam passeata pelo Centro de Campinas — Foto: Sintect-Cras

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) informou que monitorou a manifestação. Durante a concentração, antes da passeata, não houve reflexos no trânsito.

Correios

 

Em nota enviada ao G1, a estatal afirma que trabalha para reduzir os efeitos da paralisação dos funcionários e que no último fim de semana e no feriado de Dia da Independência, os empregados das áreas administrativa e operacional atuaram para a manutenção dos serviços prestados.

A empresa disse que aguarda o retorno dos funcionários que aderiram à paralisação o quanto antes e reiterou que toda a questão terá seu desfecho no julgamento do Dissídio de Greve pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), o que pode ocorrer em nova audiência de conciliação marcada ainda para esta sexta.

Por fim, lembrou da liminar concedida no dia 1° de setembro pela ministra do TST, Kátia Magalhães Arruda, que determinou o efetivo mínimo nas unidades da empresa e que as federações se abstenham de impedir o livre trânsito de bens, pessoas e carga postal em todas as unidades dos Correios.

Reivindicações

 

A manifestação cobra a garantia do acordo coletivo da categoria que, inicialmente, tinha validade prevista até o dia 31 de julho de 2021. Além disso, a greve, que ocorre em todo o país, é contrária à privatização da estatal e reclama de negligência com a saúde dos trabalhadores em meio à pandemia da Covid-19.

com informações G1 Campinas

Foto: Sintect-Cras