Indaiatuba

Filho denuncia mãe com dor no corredor do hospital, e descaso na saúde em Indaiatuba

O Comando Notícia recebeu na manhã desta testa terça-feira (28) um pedido de ajuda, urgente. Uma moradora de Indaiatuba (SP) está com problemas graves de saúde, mas não sabe como resolver.

Segundo Ivanete, em agosto vai completar um ano que ela está indo à consultas médicas, trocando de hospitais, passando por alguns médicos, mas nada adianta.

Diagnosticada com trombose no fígado e barriga d´água,  Ivanete disse que não consegue mais dormir e nem comer, e que sente muita dor. “Eu não aguento mais de tanta dor, não aguento mais”. O filho dela contou que a mãe deu entrada no Hospital Augusto de Oliveira Camargo (Haoc), às 2h da madrugada desta terça-feira, e que foi deixada no corredor do hospital. Ficou até próximo das 9h30 da manhã, quando foi levada para outra ala, em um quarto precário, segundo o rapaz.

O filho de Ivanete disse ainda, que a mãe já foi atendida algumas vezes pelo Haoc – nesse último ano – mas que resolvem o problema momentaneamente e que tempos depois o problema volta a aparecer. “não adianta tratar, a minha mãe precisa de cirurgia. Ela está com a barriga enorme. Vai pra Unicamp, a Unicamp manda pra cá, vem pra cá, tira 8 litros de água da barriga, depois no outro dia está com água na barriga de novo. Ninguém procura resolver pra ver de onde está vindo essa água, eles não querem mexer; a Unicamp está se recusando”. Desabafou o filho.

Ivanete contou à nossa equipe, que já procurou ajuda de alguns vereadores, da Prefeitura de Indaiatuba, da Unicamp, mas que ninguém a ajudou.

 

O que diz o Haoc
O Haoc informou em nota que “a paciente tinha um procedimento de punção de líquido ascético, guiada pelo ultrasson, agendado para às 14h, e a internação estava agendada para às 7h. O Haoc também informou que os procedimentos foram realizados na tarde de hoje (28). A nota informou ainda, que o quadro de Ivanete é grave e complexo, e logicamente, tinha prioridade sobre os leitos disponíveis para internação. No momento em que foi admitida no hospital, pela madrugada, ainda não havia disponibilidade de leitos, mas devido a natureza do seu quadro, foi colocada como prioridade para acomodação.

O que diz a Prefeitura
“A Prefeitura de Indaiatuba informa que a paciente é acompanhada pela Secretaria de Saúde e recebe todo suporte necessário para o seu quadro clínico. O caso deveria ser atendido pelo Estado, por meio da Unicamp devido à complexidade, mas o município está realizando o atendimento por conta da falta de vaga na Rede de Saúde Estadual. ” A nota segue, com a mesma resposta dada pelo Hospital.

Unicamp
Nós tentamos contato com a Unicamp, mas não conseguimos resposta até  fechamento desta matéria.

 

 

foto: arquivo pessoal.