americanaCidadesIndaiatuba

Haoc registra fuga de idosa de 100 anos; Hospital teve 117 evasões neste ano

HUGO ANTONELI JUNIOR

Uma idosa de 100 anos fugiu do hospital. Pelo menos é isso que foi registrado na delegacia de Indaiatuba (SP). Mas veja bem, ela não fugiu simplesmente. Na verdade, trata-se de evasão sem alta médica. Segundo o boletim de ocorrência, familiares resolveram levar a idosa que nasceu em 1919 embora mesmo sem alta do médico. Não há informações sobre para onde ela foi levada ou sobre o estado de saúde após o acontecido, no dia 21.

Este caso chamou a atenção pela idade da pessoa envolvida, mas não é isolado. O Hospital Augusto de Oliveira Camargo (Haoc) informou ao Comando Notícia, via assessoria de imprensa, que até a semana passada foram 117 fugas neste ano. Só em outubro são 13 casos, em setembro foram 15. Na delegacia, a reportagem teve acesso a pelo menos cinco boletins de ocorrência parecidos só na semana passada. No mesmo dia da idosa, um homem também fugiu da unidade, um dia depois foi a vez de outro homem, este com 37 anos.

Segundo o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, nos casos “onde a capacidade de entendimento da situação (internação hospitalar) está preservada, a evasão do paciente dever ser explicitada no prontuário médico e pode ser feito boletim de ocorrência para preservação de direito do médico e da instituição”.

EVASÕES DO HAOC EM 2019
janeiro8
fevereiro9
março15
abril13
maio13
junho9
julho13
agosto9
setembro15
outubro13
total117
fonte: Haoc

Segundo especialistas, mesmo não se tratando de crime, a evasão do paciente poderá ser registrada através de um boletim de ocorrência ou uma Ata Notarial, através do representante legal ou qualquer profissional de saúde que tenha conhecimento sobre o fato, conforme determinação administrativa.

O profissional de enfermagem tem a obrigação de registrar em prontuário ou ficha de atendimento a evasão ocorrida, devendo recolher a assinatura de pelo menos duas testemunhas que presenciaram o fato, o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem.

foto: arquivo/Comando Notícia