CidadesIndaiatuba

Pais relatam 11 escorpiões no Complexo Educacional do Parque das Nações

 

Pais de alunos estão preocupados pelo aparecimento de escorpiões no Complexo Educacional Laura Fahl Corrêa, no Parque das Nações, em Indaiatuba (SP). De acordo com os responsáveis por alguns dos alunos, foram encontrados 11 nos últimos dias e um funcionário teria sido picado. A denúncia chegou ao Comando Notícia na noite de segunda-feira (11). Indaiatuba não tem soro antiescorpiônico.

Por causa da preocupação com o aparecimento destes bichos, os pais se reuniram e foram conversar com a direção da escola na manhã de segunda e obtiveram esclarecimentos. Alguns resolveram diminuir a carga horária dos filhos na unidade escolar até que tudo se resolva. Não houve registro de crianças feridas, mas os relatos dos pais são de que os escorpiões foram encontrados em locais onde geralmente as crianças ficam. Na manhã desta terça-feira (12), uma das mães disse ao vivo no Bom Dia, Indaiatuba com o Comando Notícia, pela Rádio Jornal, que espera providências urgentes.

“De imediato queremos o maior apoio da Prefeitura, a retirada imediata de um piso de madeira que existe dentro da escola. Ali foram encontrados os escorpiões. A gente acredita que teria uma ajuda a retirada disso, não adianta passar na semana que vem, tem que ser agora, é muita criança, criança pequena, primeiro ano, de seis a sete anos, não dá para esperar”, afirma.

“Eles [as crianças] não tem noção. Tudo é brincadeira, eles não sabem do perigo. Existe uma fábrica nas redondezas, me parece que tem lixo, mato. Então, não dá pra falar na semana que vem. Tem que vir já, agora. Principalmente porque nós queremos ajudar a nossa diretora, os funcionários da escola também correm risco. Foi autorizado tirar as crianças na metade do dia, mas risco que eles correm das sete da manhã ao meio dia, tirar mais cedo não resolve o problema. Tem que ir no foco. A gente está pedindo urgente. Não tenho certeza, mas disseram que um funcionário da escola foi picado. Se uma pessoa adulta foi picada, imagina uma criança que não tem noção alguma”, diz. Você pode assistir ao relato da mãe no vídeo abaixo em 1:12:41.

O complexo foi inaugurado em 2015 e possui 7.104,26m² de construção em um terreno de 33.849,38m² de área total. A unidade escolar segue o modelo das demais EMEBs da Rede, com 12 salas de aula, duas salas de múltiplo uso, uma sala de informática e uma de reforço, além das áreas administrativas e de serviços. O galpão abriga duas piscinas, sendo uma de 5 x 12,5 metros e outra de 12,5 x 25 metros; quadra poliesportiva; almoxarifado geral; depósitos; vestiários e sanitários e mais dez salas para oficinas e atividades.

Resposta da Prefeitura 

A Secretaria Municipal de Educação informa que devido às chuvas que vem correndo desde o início do ano foi verificada a presença de escorpiões no Complexo Educacional “Profª Laura Fahl Corrêa” e uma série de providências foram adotadas para combater e prevenir novos aparecimentos. A equipe da Vigilância Sanitária foi acionada logo após o ocorrido e realizou uma vistoria na escola, orientando sobre as medidas preventivas para evitar o aparecimento de escorpiões.

As primeiras ações tomadas foram a substituição dos ralos comuns por ralos abre e fecha (escamoteáveis); vedação da lateral da quadra (fechamento de vãos); colocação de telas milimétricas nas grelhas de piso; limpeza geral da escola com vistoria em locais de guarda de materiais e busca ativa diária. No sábado, dia 9, com o prédio vazio, foi realizada uma dedetização contra escorpiões e todas as recomendações técnicas foram tomadas.

Na quinta-feira (14) será realizada uma reunião da Educação com a Vigilância Sanitária e todos os pais. O objetivo será informar sobre as medidas que já foram adotadas e prestar orientações sobre as prevenções que devem ser adotadas para evitar a ocorrência dos escorpiões tanto no ambiente escolar, quanto no ambiente doméstico. A Vigilância já está tomando medidas também nas proximidades.

A Secretaria de Educação está atenta diariamente à situação na escola e acompanhando o resultado de todas as iniciativas adotadas para analisar se outras medidas se fazem necessárias. A Secretaria está à disposição para tirar dúvidas e auxiliar da melhor forma possível.

Estado registra alta nos ataques

O estado de São Paulo registrou, no ano passado, o maior número de acidentes com escorpiões nos últimos 30 anos – um total de 30.707 casos, além de 13 mortes. Dados do Centro de Vigilância Epidemiológica mostram que a curva de notificações mantém-se em ascensão desde 2012. Nos primeiros dois meses deste ano, 4.025 casos já haviam sido contabilizados no estado, incluindo dois óbitos.

Em janeiro, o Ministério da Saúde alertou que o período do verão, de dezembro a março, exige mais cuidado em relação aos acidentes com escorpiões, já que o clima úmido e quente é ideal para o aparecimento desse tipo de animal, que se abriga em esgotos e entulhos. 
De acordo com o ministério, os escorpiões que habitam o meio urbano alimentam-se principalmente de baratas e são comuns também em locais próximos a áreas com acúmulo de lixo.

Prevenção

Para evitar a entrada de escorpiões em casas e apartamentos, recomenda-se usar telas em ralos de chão, pias e tanques, vedar frestas nas paredes e colocar soleiras nas portas. Outras medidas são afastar camas e berços das paredes e examinar roupas e calçados antes de usá-los. Em áreas externas, as principais dicas são manter jardins e quintais livres de entulho, folhas secas e lixo doméstico. Também é importante manter todo o lixo da residência em sacos plásticos bem fechados para evitar o aparecimento de baratas, que servem de alimento e, portanto, atraem os escorpiões.

Em casas que têm gramado, este deve ser mantido aparado. Também não se deve pôr a mão em buracos, embaixo de pedras ou em troncos apodrecidos e usar luvas e botas de raspas de couro durante atividades que representem risco, como manusear entulho e material de construção, e em trabalhos de jardinagem.

Nas áreas rurais, além de todas essas medidas, o Ministério da Saúde alerta que é essencial preservar os chamados inimigos naturais dos escorpiões, como lagartos, sapos e aves de hábitos noturnos, como a coruja. Não se recomenda, porém, o uso de produtos químicos (pesticidas) para o controle de escorpiões. Os produtos, além de não terem, até o momento, eficácia comprovada para o controle do animal em ambiente urbano, podem fazer com que estes deixem seus esconderijos, aumentando a chance de acidentes, alerta o Ministério da Saúde.

O que fazer

Em caso de acidente com escorpião, a orientação da pasta é ir imediatamente ao hospital de referência mais próximo e, se possível, levar o animal ou uma foto para identificação da espécie, permitindo uma avaliação mais eficaz sobre a gravidade do acidente. A pasta alerta que nem todo caso de acidente desse tipo tem indicação para uso do soro – casos leves, que não necessitam da aplicação do antiveneno, representam cerca de 87% do total. O soro é indicado em casos moderados ou graves. Limpar o local da picada com água e sabão pode ser uma medida auxiliar, desde que não atrase a ida ao serviço de saúde.

com Agência Brasil

foto: PMI/arquivo