Cidades

Pesquisadores brasileiros criam o primeiro soro do mundo contra veneno de abelha

Após quinze anos de estudos e testes, o Brasil está se preparando para ser o único país do mundo a produzir o soro contra múltiplas picadas de abelhas, chamado de antiapílico.

Apesar de já haver muitos tratamentos contra múltiplas picadas de abelha, o soro, coletado do veneno delas, é o único capaz de eliminar a toxina do veneno injetado pelo inseto no corpo humano.

“Fizemos testes em pacientes que foram atingidos por múltiplas abelhas. A primeira pessoa a tomar o soro estava muito mal, não estava reagindo aos medicamentos. Foi aí que o Hospital de Clínicas de Botucatu (um dos centros que realiza a pesquisa do soro) entrou em contato com a paciente. E a família autorizou o uso. O mais incrível é que ela fala que é como se tivessem tirado a dor que ela tava sentindo com as mãos”, disse Ricardo Orsi, professor da Unesp de Botucatu.

A expectativa é de que esse soro seja liberado ainda esse ano para que os hospitais tenham acesso ao medicamento e possam, assim, ter uma aliado importante no caso de acidentes graves envolvendo abelhas.

“Quem recebe poucas picadas, com um antialérgico já melhora, não tem necessidade do soro. Agora pessoas que receberam múltiplas picadas e correm risco de morte pela toxina recebem o medicamento”, afirma o pesquisador.

Enxame de abelhas no galho de uma árvore na Universidade Estadual de Londrina (UEL) — Foto: Reprodução/RPC

                     Enxame de abelhas no galho de uma árvore na Universidade Estadual de Londrina (UEL)

O estudo

Para coletar a toxina da abelha sem matar o inseto, foram instalados aparelhos especiais que disparavam um tipo de choque nas abelhas.