Cidades

Piso tátil e a mobilidade dos deficientes visuais

CAROL BORSATO*

Arquitetura acessível. Você já percebeu, nas calçadas, placas com relevos fixadas no chão? Bom, são os pisos podotáteis, que ajudam o cego em sua caminhada em lugares onde a orientação dos cegos fica comprometida. No Brasil existe regulamentação para colocação correta dos pisos táteis, assim se usa uma linguagem universal e eficiente no auxílio ao deficiente visual.

Existem dois tipos de piso tátil, o direcional que é o de barra, e o de alerta, que são bolinhas. O de bolinhas deve ser colocado nas portas, nas beiradas das calçadas, ao redor dos orelhões, ao redor dos postes, no início e fim das escadas e rampas.

O direcional, como o nome diz, vai levar o cego a um balcão, a uma sala, ou seja, vai direcioná-lo até onde ele precisa chegar. Eles tem cores contrastantes, para ajudar também a pessoa com baixa visão a percebê-los.

Mas nem todo lugar tem, quando tem é muito pouco, não pega todo trajeto.

Infelizmente, a acessibilidade no Brasil deixa muito a desejar, sem falar das leis que não são cumpridas,  fazendo com que os deficientes visuais tenham que entrar com processo para conseguir algo.

*Carol Borsato é a primeira repórter deficiente visual da história de Indaiatuba (SP) e escreve aos domingos.

foto: divulgação