CidadesSorocaba

Projeto voluntário tatua de graça mulheres que tiveram câncer em Sorocaba: ‘Renasci’, diz paciente

Os dias marcados por um processo difícil ficaram no passado. Ainda que as cicatrizes continuem no mesmo lugar, elas passam a fazer parte de uma história que foi renovada por meio de um projeto voluntário de micropigmentadoras de Sorocaba (SP) que tatua mulheres que tiveram câncer.

A reportagem , a micropigmentadora Fernanda Barcelli contou que participa da ação há cinco anos com mais duas irmãs, que também trabalham no laboratório. Segundo ela, a família decidiu ajudar pacientes oncológicas de forma voluntária, já que muitas não conseguem pagar pelo procedimento.

Eu sinto que, em cada procedimento que eu faço nas clientes, eu não vejo o meu valor, eu esqueço. É uma alegria entregar o espelho e elas se emocionarem”, comenta Fernanda.

Procedimento pode ser agendado de graça até 30 de outubro em Sorocaba — Foto: Divulgação

Nesta sexta-feira (30), a partir de 12h, o laboratório receberá mulheres que buscam fazer o procedimento de micropigmentação na sobrancelha e a reconstrução da aréola.

As inscrições estão abertas para pacientes foram vítimas de câncer e não têm condições de pagar pelo procedimento. O agendamento pode ser feito pelo telefone (15) 3211-2253.

‘Fica um vazio’

Patrícia Souza passa pelo procedimento de micropigmentação desde 2017 em Sorocaba  — Foto: Patrícia Souza/Arquivo pessoal

                                      Patrícia Souza passa pelo procedimento de micropigmentação desde 2017 em Sorocaba — Foto: Patrícia Souza/Arquivo pessoal

As lágrimas deixaram de ser de tristeza para a vendedora Patrícia Souza Costa, de 44 anos, que passou pelo procedimento. Em entrevista a reportagem , ela relatou que mora em Igaraçu do Tietê (SP) e foi diagnosticada com câncer no colo do útero em 2013.

“Os pelos da minha sobrancelha não voltaram mais. Para uma mulher, olhar no espelho e faltar algo faz você se sentir frustrada. É estranho você não ter mais uma parte do seu corpo. Parece que fica um buraco, um vazio”, conta.

Após várias tentativas de fazer o design da sobrancelha com lápis, Patrícia optou por realizar um curso, já que tem a pele oleosa e não conseguia manter a maquiagem por muito tempo. Mesmo assim, o problema continuou.

Ação do Outubro Rosa ocorre há cinco anos em Sorocaba — Foto: Divulgação

                                 Ação do Outubro Rosa ocorre há cinco anos em Sorocaba — Foto: Divulgação

A vendedora então encontrou o projeto nas redes sociais e decidiu se inscrever. Em 2017, ela veio para Sorocaba e fez a micropigmentação nas sobrancelhas. Desde então, é atendida de graça todo mês de outubro.

“Eu olhei no espelho e comecei a chorar. Esse choro foi de alegria, porque eu renasci. As mãos da Fernanda me fizeram renascer e, depois daquele dia, eu aprendi a me amar. Eu me amo, eu sou bonita. Me olho e me vejo uma mulher linda e tudo isso eu devo a ela”, ressalta Patrícia.

 

A mulher chegou a pesar 34 quilos durante o tratamento e se divorciou do marido. A última cirurgia foi em 2014, quando ela precisou retirar o colo e o útero.

De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer do colo do útero é causado pela infecção do Papilomavírus Humano (HPV). Somente em 2020, 16.590 casos foram registrado no Brasil, conforme os dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

‘Emoção sem igual’

Adriane Cruz, moradora de Sorocaba, foi diagnosticada com câncer de mama em 2013 — Foto: Adriane Maria Cruz/Arquivo pessoal

                                        Adriane Cruz, moradora de Sorocaba, foi diagnosticada com câncer de mama em 2013 — Foto: Adriane Maria Cruz/Arquivo pessoal
No caso da moradora de Sorocaba e esteticista Adriane Maria Cruz, de 44 anos, a descoberta do diagnóstico de câncer de mama ocorreu em 2014. Mas, antes disso, ela relata que recebeu um alerta por meio de um sonho.

“Nesse sonho, minha avó já falecida me falava para ser forte, porque eu iria passar por momentos difíceis, mas que estaria sempre orando por mim e que era para o meu crescimento”, conta.

A partir de um incômodo, Adriane sentiu um caroço na mama esquerda e decidiu ir ao hospital buscar ajuda. Depois de fazer alguns exames, precisou esperar por 31 dias para o resultado. Quando soube do diagnóstico, não teve outra reação a não ser chorar.

Pacientes com sequelas de câncer recebem atendimento de graça em laboratório de Sorocaba — Foto: Divulgação

                                        Pacientes com sequelas de câncer recebem atendimento de graça em laboratório de Sorocaba — Foto: Divulgação

Eu gritava e só pensava que ia morrer e deixar minhas filhas, marido, mãe. Começou a passar um filme na minha cabeça. Aquela noite não passou, a semana não passou. Me fechei em casa e só saía para exames e mais nada.”

Adriane passou por oito seções de quimioterapia, 30 seções de radioterapia e 17 cirurgias, sendo algumas necessárias para o tratamento e outras para a retirada das mamas e reconstrução.

Através do projeto da família Barcelli, ela teve acesso à reconstrução da mama e à micropigmentação das sobrancelhas.

Foi uma emoção sem igual. Estava ansiosa para fechar esse ciclo na minha vida. São mulheres tristes, felizes e elas fazem de tudo para ser maravilhoso. Saímos de lá renovadas, felizes e nos sentindo mulheres.”

Segundo o Inca, o câncer de mama é o segundo tipo que mais acomete as mulheres no Brasil, representando cerca de 20,9% de todos os cânceres que as afetam.

Com informações G1 Campinas

Foto: Fernanda Barcelli/Arquivo pessoal