Cultura

Saíram as indicações ao Oscar: Quem ganha?

MARCOS KIMURA*

Nesta segunda-feira, dia 13, foram divulgados os indicados ao Oscar de uma das melhores safras cinematográficas dos últimos anos. “Coringa”, de Todd Philips e Joaquin Phoenix (sim, acho que se pode incluir o intérprete como um dos coautores do filme) disputa em 11 categorias; seguido por “O Irlandês”, de Martin Scorcese; “Era uma vez…em
Hollywood”, de Quentin Tarantino; e “1917”, de Sam Mendes (que tem pré-estreia esta semana!), que concorrem a dez estatuetas.

A julgar pelas premiações já realizadas e pelo hype até agora, “Era uma vez…em Hollywood” sai na frente para o prêmio de Melhor Filme, seguido por “1917”. Para Ator, Joaquin Phoenix (“Coringa”) já era barbada antes do Globo e Ouro e do Critics Choice Awards, e depois de levar esses dois troféus para casa, parece imbatível. Pelo mesmo motivo, acrescido do fato de Hollywood adorar cinebiografias, Renée Zelwegger é favoritíssima com Atriz por “Judy”, como a protagonista de “O Mágico de Oz” e uma das cantoras americanas mais emblemáticas.

Como tem acontecido ultimamente, o Oscar de Filme e Diretor devem ir para produções diferentes, no caso, Sam Mendes tem chances enormes por “1917” (a Academia de Hollywood adora desafios técnicos, como “Gravidade”, por exemplo), ou Bong Joon Ho pode surpreender com “Parasita”. Ele não seria o primeiro diretor asiático a vencer a categoria – Ang Lee ganhou duas vezes – mas o primeiro numa produção em língua não inglesa. Uma curiosidade na categoria é que os filmes de um casal disputam o prêmio: Greta Gerwig por “Adoráveis Mulheres” e Noah Baumbach por “História de um casamento”, que é exatamente sobre um casal que se separa porque a mulher acha que sua carreira é ofuscada pela do marido (Terá rolado uma dinâmica aí?).

Nos Roteiros, a briga está entre Tarantino e Bong Joon Ho no Original; e Greta Gerwig (que ganhou o Critics Choice Awards) e Martin Scorcese (só porque não me conformo que sua obra-prima não ganhe nada); Entre os atores coadjuvantes, Laura Dern foi a mais premiada até agora por “História de um casamento”, o mesmo acontecendo com Brad Pitt por “Era uma vez…em Hollywood”, o que iria coroar a carreira de um dos grandes astros de nosso tempo.

“Link Perdido” foi a zebra da categoria longa de animação no Globo de Ouro, mas os críticos americanos mantiveram a lógica e deram o troféu para “Toy Story 4”, o filme que a gente não sabia que queria. Num ano mágico para a conglomerado Disney, só faltava perder no segmento que deu origem ao império.

Em um ano que a Academia Brasileira fez mais uma besteira – mandando o xaroposo “Vidas Invisíveis” ao invés do poderoso “Bacurau” – o prêmio praticamente já tem dono, que é “Parasita”, mesmo considerando que tem a disputa com um excelente Pedro Almodóvar, que é “Dor e Glória”, quase uma desculpa pela sua produção irregular desde as obras-primas “Tudo sobre minha mãe” e “Fale com Ela”.

Novamente, a julgar pelas premiações das duas semanas anteriores, Hildur Guðnadóttir, de “Coringa”, é favorita, mesmo que seu trabalho como compositora da trilha original tenha sido vitaminado pela excelente seleção de canções já conhecidas, como “That’s Life” (o clássico de Frank Sinatra”) ou as diversas citações das músicas de Charles Chaplin para “Tempos Modernos”. Para Canção Origjnal, parece certo que a barbada é para Elton John e e seu parceiro Bernie Taupin, por “I’m Gonna Love me Again”, de “Rocketman”.

Por último – e este ano muito importante, pelo menos para nós, brazucas – a categoria Documentário de Longa Metragem, que este ano tem “Democracia em Vertigem”, de Petra Costa como um dos cinco finalistas. Ao contar o processo de impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Luis Inácio Lula da Silva, é evidente que ele divide opiniões num País ainda dominado pela intransigência.

Ao optar pela na narrativa em primeira pessoa (que pessoalmente me irrita, pela voz “batatinha quando nasce”, mas certamente passa a imagem da jovem que cresceu durante a redemocratização e sonhava que o Brasil seguiria um destino diferente) a cineasta deixa claro que é uma visão pessoal do processo político que vivemos entre 2013 e 2018, com referências familiares e pessoais.

Em nenhum momento evoca um distanciamento jornalístico ou emula imparcialidade. Como todo documentário (vide Michael Moore, “Corações e Mentes” e – porque não? – o “Jardim das Aflições”) defende um ponto de vista, e não tem vergonha de fazê-lo. E não se enganem: tecnicamente é muito bem realizado, cumpre o que se propõe a fazer e pode muito bem trazer a estatueta para um Brasil cuja a produção cinematográfica está em alerta vermelho.

Confira os indicados ao Oscar deste ano, cuja cerimônia de entrega será dia 9 de fevereiro. Até lá, muita água pode rolar debaixo da ponte.

MELHOR FILME

  • Ford vs Ferrari
  • O Irlandês
  • JoJo Rabbit
  • Coringa
  • Adoráveis Mulheres
  • História de um Casamento
  • 1917
  • Era Uma Vez em… Hollywood
  • Parasita

MELHOR ATOR

  • Antonio Banderas – Dor e Glória
  • Leonardo DiCaprio – Era Uma Vez em… Hollywood
  • Adam Driver – História de um Casamento
  • Joaquin Phoenix – Coringa
  • Jonathan Price – Dois Papas

MELHOR ATRIZ

  • Cythia Erivo – Harriet
  • Scarlett Johansson – História de um Casamento
  • Saoirse Ronan – Adoráveis Mulheres
  • Charlize Theron – O Escândalo
  • Renée Zellweger – Judy: Muito Além do Arco-Íris

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Tom Hanks – Um Lindo Dia na Vizinhança
  • Anthony Hopkins – Dois Papas
  • Al Pacino – O Irlandês
  • Joe Pesci – O Irlandês
  • Brad Pitt – Era Uma Vez em… Hollywood

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Kathy Bathes – Richard Jewell
  • Laura Dern – História de Um Casamento
  • Scarlett Johansson – JoJo Rabbit
  • Florence Pugh – Adoráveis Mulheres
  • Margot Robbie – O Escândalo

MELHOR ANIMAÇÃO

  • Como Treinar Seu Dragão 3
  • I Lost My Body
  • Klaus
  • Elo Perdido
  • Toy Story 4

MELHOR FOTOGRAFIA

  • O Irlandês
  • Coringa
  • O Farol
  • 1917
  • Era Uma Vez em… Hollywood

MELHOR FIGURINO

  • O Irlandês
  • JoJo Rabbit
  • Coringa
  • Adoráveis Mulheres
  • Era Uma Vez em… Hollywood

MELHOR DIREÇÃO

  • Martin Scorsese – O Irlandês
  • Todd Phillips – Coringa
  • Sam Mendes – 1917
  • Quentin Tarantino – Era Uma Vez em… Hollywood
  • Bong Joon Ho – Parasita

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • American Factory
  • Learning to Skateboard In a Warzone (If You’re A Girl)
  • The Cave
  • Democracia em Vertigem
  • For Sama
  • Honeyland

MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA METRAGEM

  • In The Absense
  • Life Overtakes Me
  • St. Louis Superman
  • Walk Run Cha-Cha

MELHOR EDIÇÃO

  • Ford vs Ferrari
  • O Irlandês
  • JoJo Rabbit
  • Coringa
  • Parasita

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Corpus Christi
  • Honeyland
  • Os Miseráveis
  • Dor e Glória
  • Parasita

MELHOR CABELO E MAQUIAGEM

  • O Escândalo
  • Coringa
  • Judy
  • Malévola – Dona do Mal
  • 1917

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL

  • Coringa
  • Adoráveis Mulheres
  • História de um Casamento
  • 1917
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • Toy Story 4 “I Can’t let you throw yourself away”
  • Rockemaan (I’m Gonna) Love me again”
  • Superação: O Milagre da Fé “I’m Standind With You”
  • Frozen 2 – “Into the Unknown”
  • Harriet – “Stand Up”

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO

  • O Irlandês
  • JoJo Rabbit
  • Coringa
  • Adoráveis Mulheres
  • Era um Vez em… Hollywood

MELHOR CURTA ANIMADO

  • DCERA (Daughter)
  • Hair Love
  • Kitbull
  • Memorable
  • Sister

MELHOR CURTA METRAGEM

  • Brotherhood
  • Nefta Football Club
  • The Neighbors&Window
  • Saria
  • A Sister

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

  • Ford vs Ferrari
  • Coringa
  • 1917
  • Era uma Vez em… Hollywood
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Ad Astra
  • Ford Vs Ferrari
  • Coringa
  • 1917
  • Era uma Vez em… Hollywood

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Ultimato
  • O Irlandês
  • O Rei Leão
  • 1917
  • Star Wars: A Ascensão Skywalker

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • O Irlandês
  • JoJo Rabbit
  • Coringa
  • Adoráveis Mulheres
  • Dois Papas

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Entre Facas e Segredos
  • História de um Casamento
  • 1917
  • Era Uma Vez em… Hollywood
  • Parasita

*Marcos Kimura é jornalista e curador do Cineclube Indaiatuba (SP).

foto: reprodução