CidadesIndaiatuba

Sindicato faz reunião na Sou Indaiatuba; usuários relatam atrasos

HUGO ANTONELI JUNIOR

Os ônibus saíram com atraso da garagem da Sou Indaiatuba na madrugada desta terça-feira (23). O sindicato que representa os trabalhadores informou que houve uma reunião com os motoristas porque a empresa não estaria depositando direitos trabalhistas como o Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS). Por conta da reunião, algumas linhas saíram com atraso e usuários relataram ao Comando Notícia atrasos, principalmente nos bairros Paulista e Sabiás. Os responsáveis da empresa e da administração não se manifestaram até o momento.

Uma das usuárias do transporte relatou durante o Bom Dia, Indaiatuba, na Rádio Jornal, que os ônibus que fazem a linha do Sabiás não passaram 5h20 e 6h20. Por isso ela precisou chamar um carro de transporte alternativo. Os coletivos que passavam por volta das 6h30 pela rua João Narezzi, antiga 81, estavam lotados, acima do normal para o horário.

Os representantes do sindicato informaram ao Comando Notícia na porta da garagem da empresa que esperam abrir uma linha de diálogo com os responsáveis da empresa e do poder público nos próximos dias. Caso isso não aconteça, pode haver greve. Apesar disso, os sindicalistas informaram que a intenção é que os direitos sejam pagos, sem paralisação. Houve, ainda segundo eles, adesão total dos motoristas.

Depósito do FGTS

Não fazer os depósitos do FGTS da maneira devida é uma infração prevista em lei. Todos os empregadores são obrigados a depositar, em conta bancária vinculada, um valor correspondente a 8% do salário pago a cada trabalhador até o dia 7 de cada mês. Quando a data não for dia útil, o recolhimento deve ser antecipado.

Caso não haja um acordo, o trabalhador pode denunciar a empresa junto ao Ministério do Trabalho, por meio das Superintendências Regionais do Trabalho. Os dados do denunciante são mantidos em sigilo.

Para formalizar a denúncia, o trabalhador deve ter em mãos o extrato da conta vinculada que comprove que os depósitos não foram realizados. O documento pode ser obtido em qualquer agência da Caixa com o Cartão do Trabalhador, Carteira de Trabalho e o cartão ou número do PIS. Também é possível obter o extrato pelo aplicativo FGTS para smartphone.

O Ministério do Trabalho poderá notificar as empresas e determinar que efetuem os depósitos. A fonte de informações, reclamações ou denúncias não são reveladas pela auditoria fiscal do trabalho.

Como se proteger

De acordo com o Ministério do Trabalho, as empresas estão obrigadas a comunicar mensalmente aos colaboradores os valores recolhidos a título de FGTS nas contas vinculadas, mas, além disso, há canais para o trabalhador monitorar essa movimentação por conta própria e evitar surpresas na hora de acessar o benefício.

Uma opção prática e rápida é o serviço de SMS oferecido pela Caixa. O empregado também pode receber o extrato do FGTS pelo correio a cada dois meses. Se não estiver recebendo o extrato ou o SMS, o trabalhador deve informar seu endereço completo aqui, em uma agência da Caixa ou, se preferir, pelo telefone 0800-726-0101.

foto: arquivo/Comando Notícia