CidadesIndaiatuba

Vazamento causa morte de peixes; moradores “pescam”, mas consumo não é recomendado

HUGO ANTONELI JUNIOR

Na tarde de quinta-feira (7), muitas pessoas foram até o lago do Floresta Parque para “pescar”. Os peixes estavam com um comportamento estranho e muito próximos à superfície. Estas pessoas aproveitaram para pegar os peixes. Testemunhas informaram ao Comando Notícia que estas pessoas chegaram a usar madeiras para matar os peixes. Muitos levaram para casa mais de dez peixes. O problema é que o comportamento dos peixes foi causado por uma contaminação por esgoto. Além da pesca ser proibida, nadar no local não recomendado e o consumo destes peixes, muito menos.

Em nota, via assessoria de imprensa, o Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae) informou que “o problema do vazamento já foi resolvido, assim que foram informados. Foi um entupimento da tubulação causado pelo descarte irregular de materiais que é feito pela própria população na rede de esgotos”, diz. Este descarte, de acordo com o Saae, acarreta muitos problemas. Sobre os peixes, a Prefeitura informou que o consumo “não é recomendado. A Guarda Civil fez um monitoramento no local para avisar sobre a proibição da pesca nesse período.”

Não é a primeira vez que isso acontece no local. Um caso parecido foi registrado em setembro do ano passado. O problema com a contaminação foi resolvido pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) na época, mas a água no local seguiu escura. Os moradores disseram que os peixes mortos foram removidos – o que foi confirmado pela Prefeitura -, mas a quantidade não foi informada.

A autarquia ainda informou que “é importante entender que esses vazamentos são causados pelo entupimento por consequência do mal uso da rede coletora, pela população. Não se deve jogar nada nos ralos, pias e vasos sanitários. Por exemplo, o óleo vai grudando nas paredes da tubulação diminuindo seu diâmetro, e quando se juntam a fio dental, cabelos, cigarros, fraldas, etc, vão formando uma bola que obstrui a passagem do efluente e transborda no ponto mais próximo e chegam na galeria pluvial através dos bueiros, indo parar em algum curso hídrico. Causando sua poluição.”

O Saae, assim que informado, disse que coloca suas equipes nas ruas o mais rápido possível, pois é necessário percorrer toda galeria até encontrar o vazamento para consertá-lo. “Quando o rapaz ligou no Saae o vazamento já estava há algum tempo. É preciso que nos seja informado o mais rápido possível”, completa.

fotos: Comando Uno/Reginaldo Rodrigues/Comando Notícia