Cidades

Você sabe quem foi Louis Braille?

CAROL BORSATO*

Louis Braille nasceu em 4 de janeiro de 1809 na cidade de Coupvray, na França. Filho de Monique Baron e Simon René Braille, sua mãe era uma moça simples, seu pai, um conceituado fabricante de arreios e selas na região; provia o sustento da família de 4 filhos e a esposa.

Certo dia, Louis brincava com os retalhos de couro da oficina de seu pai, tentando furar um desses retalhos de couro duro com um instrumento chamado sovela, de ponta muito fina quando a ponta da sovela acabou por ferir um de seus olhos causando uma grave hemorragia.

Seu pai lavou o olho ferido com água fresca, uma mulher da região conhecida pelos métodos de cura, aplicou umas de suas compressas. Mas não adiantou, o médico da região também não conseguiu acabar com a infecção, por falta de recursos.

Infelizmente a infecção atingiu o outro olho e a cegueira total o acometeu quando Louis tinha 5 anos. Louis fez amizade com o Abade Jacques Palluy que lhe deu orientação cristã e com dez anos o garoto foi estudar no Instituto dos Jovens Cegos de Paris.

O novo aluno se adaptou muito rápido em sua nova escola, aprendeu muitas coisas e se tornou um grande organista da Igreja Notre Dame de Champs, além de virar professor no Instituto. Mas foi quando conheceu Charles Barbier de La Serre, um capitão de artilharia, que seu sonho de criar um novo sistema de leitura e escrita foi realizado.

Barbier apresentou a Braille o seu sistema de comunicação noturna que o rapaz aprendeu rápido, e devido a probleminhas com as pontuações, Louis resolveu criar o seu próprio sistema, e assim nasceu o sistema de leitura e escrita Braille.

Este sistema de leitura e escrita tem pontuações para tudo, começando com o português, passando pela matemática, química, física e também a musicografia braille. E assim, Louis foi aprimorando o sistema Braille, composto pelos seis pontos, dispostos em duas colunas, cada uma contendo três pontos.

A reglete que utilizamos Louis criou quando tinha 15 anos. É até hoje o material de escrever em braille mais acessível. Desde a criação e popularização do sistema de leitura e escrita tátil Braille, os cegos puderam se libertar para ler e escrever tudo que precisassem ou sentissem vontade. Por isso o dia do braille é 4 de janeiro, data de nascimento de Louis.

Levando em conta algumas circunstâncias, o que teria acontecido se Louis Braille não tivesse perdido a visão quando feriu um dos olhos com a sovela? Os cegos teriam algum modo de ler e escrever? Será que o sistema de barbier teria se tornado um braille de 12 pontos, só que com outro nome?

Bom, isso ninguém sabe, só sabemos que, de fato, nós, deficientes visuais somos extremamente gratos àquele garotinho que nos deu o maior presente, a chance de adquirir conhecimentos sobre tudo.

*Carol Borsato é a primeira repórter com deficiência visual da história de Indaiatuba (SP) e escreve aos domingos.

foto: divulgação