Cidade

Campanha 2019 da CNBB tem como tema “Fraternidade e Políticas Públicas”

com informações do G1

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou na quarta-feira (6) a campanha da fraternidade de 2019, com o tema “Fraternidade e Políticas Públicas”. O objetivo é estimular a população a se envolver na formulação de políticas públicas. O texto-base da campanha descreve, por exemplo, as etapas da elaboração de uma nova lei e cita os canais de participação social garantidos na Constituição, como o projeto de lei de iniciativa popular.

Criada em 1962, a campanha é apresentada todo ano na quarta-feira de cinzas, quando tem início a Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa. “Nós, como Igreja, queremos dar a nossa colaboração, refletindo as políticas públicas, propondo políticas públicas, e por que não dizer, acompanhar as políticas públicas”, afirmou o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner.

Ao final do evento, o Cardeal Sérgio da Rocha, afirmou que a Igreja seguirá estimulando a elaboração de políticas públicas que assegurem os direitos dos mais pobres.

Papa Francisco manda mensagem

O Papa Francisco divulgou uma mensagem para os brasileiros na quarta-feira (6), quando começa a Campanha da Fraternidade 2019, com um apelo para que os católicos busquem uma atuação “mais ativa na sociedade” com o objetivo de “construir uma cultura fraterna baseada no direito e na justiça”.

Durante o período da Quaresma, que antecede a Páscoa, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) convida os católicos a refletirem sobre um aspecto relevante para a realidade nacional. Neste ano, o tema escolhido foi “Fraternidade e políticas públicas”.

O pontífice fez um apelo para que os cristãos, inspirados pelo lema da campanha “Serás libertado pelo direito e pela justiça”, busquem “uma participação mais ativa na sociedade como forma concreta de amor ao próximo, que permita a construção de uma cultura fraterna baseada no direito e na justiça”. Ele também lembra que eles não devem se deixar “intimidar pelos grandes poderes financeiros e mediáticos” e devem estar “abertos a ouvir e a aprender no diálogo democrático, conjugando a busca da justiça com a misericórdia e a reconciliação”.

foto: divulgação/arquivo