CidadesIndaiatuba

Sindicato protocola denúncia contra Sou Indaiatuba no Ministério Público

HUGO ANTONELI JUNIOR

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e Região, Izael Soares de Almeida, protocolou na tarde desta terça-feira (24) uma denúncia contra a empresa Sou Indaiatuba, da Sancetur, que opera o transporte público em Indaiatuba (SP) via contrato emergencial há mais de um ano.

Segundo o documento que o Comando Notícia teve acesso, a Sou Indaiatuba “vem apresentando sérios problemas de manutenção de seus veículos, bem como utilizando-se de mão de obra em número aquém do mínimo necessário, tanto da manutenção quanto da operação, colocando em risco tanto os profissionais do transporte quanto a população em geral.”

Como motivo para protocolar o documento no MP, o sindicato cita o acidente que aconteceu no final de semana. Um ônibus perdeu a roda no Jardim Morada do Sol na noite de sábado (21). “Foram denunciadores pelo motorista e por usuários que gravaram vídeos (…) segundo motoristas e operadores da manutenção, os ônibus não são de fabricação de 2017, como afirma a empresa, mas apenas a carroceria seria de 2017, sendo que o chassis, onde encontra-se suportados o motor, a suspensão, freios e demais itens de segurança foram fabricados em 2007 , estando, dessa forma, completamente fora das especificações para a assinatura de contrato emergencial.”

No documento, Izael ainda afirma que “motoristas relatam ter visto plaquetas nos motores indicando sua fabricação em 2007 (…) é coerente com o que tem ocorrido no município. Inúmeras denúncias de pneus gastos, carecas, facilmente flagrados pelas ruas da cidade, demonstram que os pneus e a estrutura dos ônibus não são, como anunciadas, de fabricação de 2017, pois não se desgastam dessa maneira em apenas um ano e meio de operação.”

O sindicato ainda denuncia que “a falta de mão de obra é latente na empresa. Não há motoristas reservas, folguistas ou que cubram férias dos profissionais que fazem jus. Até a presente data, nenhum motorista conseguiu tirar férias na empresa, sendo que a maioria deles vem de outra empresa” e que “a  manutenção também é bastante precária, contando com poucos profissionais para a frota, de pouco mais de 70 carros, além de todo o transporte escolar, que tem os mesmos profissionais na manutenção. Tal constatação é facilmente evidenciada através das condições do ar condicionado dos carros, que recentemente foi denunciado por passageiros, que notaram na saída do ar quantidade exorbitante de poeira.”

Para encerrar, o sindicato diz que denunciou à Prefeitura, mas que a administração “nenhuma providência tem tomado quanto a fiscalização, numa clara demonstração de descaso e protecionismo para com a empresa, que nunca sequer foi  autuada ou mesmo advertida sobre as graves ocorrências aqui narrados.”

A empresa Sou Indaiatuba foi procurada, mas não retornou para se manifestar e se defender das denúncias.

Impasse na Justiça

A empresa Sancetur atua em contrato emergencial na cidade há mais de um ano e é uma das concorrentes na concessão do transporte pelos próximos 15 anos. A licitação está suspensa por decisão judicial e ainda não há previsão de quando esse impasse terá fim. Usuários da antiga empresa ainda tem créditos retidos de cartões, outra decisão que está nas mãos da Justiça.

foto: Reginaldo Rodrigues/Comando Notícia