CidadesIndaiatubaPolítica

Cultura e turismo: Clelia, Maropo, Spíndola e Wolf divulgam propostas

A penúltima parte da série de entrevistas com os candidatos a deputado federal de Indaiatuba traz nesta sexta-feira (5) dois temas: turismo e cultura. Os candidatos Clelia Santos (PRTB), Felipe Maropo (PSOL), Ricardo Spíndola (AVANTE) e Rinaldo Wolf (PT) responderam. O candidato Hélio Ribeiro (PSB) não respondeu.

No ar desde o dia 20, a série de entrevistas do Comando Notícia mostrou as propostas dos federais para corrupção, saúde, educação, reforma da previdência, impostos e emprego. No caso dos deputados estaduais, os temas tratados até agora foram educaçãoemprego, impostos, segurança, cultura e turismo,  infraestrutura, reforma política e atuação na Alesp. As entrevistas serão publicadas diariamente até sábado, dia 6.

Clelia Santos (PRTB)

Turismo e cultura: “Criação de projetos que possibilite a maior divulgação dos pontos turísticos e colocando as secretarias do turismo e cultura para apresentar o que cada cidade do Estado de São Paulo tem. Assim as cidades criam mais empregos, levam cultura para seus visitantes e através dessas ações o turismo aumenta.”

Felipe Maropo (PSOL)

Turismo: “Fomentar o ecoturismo; lutar pela melhora da infraestrutura pública, a qualidade das instalações e dos serviços que atendem a população e também os turistas; fortalecer a imagem do Brasil no exterior e seus diferenciais como destino turístico; apoiar e adotar políticas de taxação inteligentes, que incluem simplificação na tributação e desburocratização, para melhorar o ambiente de negócios; debater e aprimorar os transportes aéreo, rodoviário, ferroviário e náutico, garantindo conectividade eficiente para facilitar as viagens para o Brasil e dentro do Brasil; apoiar e estimular o desenvolvimento de novos produtos turísticos.”

Cultura: “Ampliar progressivamente os investimentos em cultura; fomentar e consolidar os debates públicos sobre a pluralidade da cultura nos municípios e estados; criar mecanismos de desburocratização e valorização para todos que trabalham com cultura possam profissionalizar-se; fortalecer o papel do MinC em todas as cidades brasileiras, reconhecendo e divulgando as produções locais; incentivar os pontos de cultura; fortalecer a integração e interdisciplinaridade de políticas públicas em esporte, educação, saúde, turismo e cultura; fortalecimento dos conselhos de cultura, com a exigência de ser deliberativo.”

Ricardo Spíndola (AVANTE)

Turismo: “Inadmissível que o Brasil inteiro tenha menos turistas do que Portugal. Apenas a torre Eiffel, em Paris-FR, tem mais turistas que o nosso país. Precisamos dar um choque de gestão grande nesta área, colocar o Brasil verdadeiramente no roteiro turístico. Talvez o mais grave dos problemas é a segurança. Exemplo: o Rio de Janeiro é a cidade maravilhosa, cheia de pontos turísticos e com potencial de ser um dos locais mais visitados do mundo. Com o problema da violência sequer é possível incentivar o turismo interno, quanto mais atrair estrangeiro. Fomentando o turismo teremos melhorias em empregos, geração de renda e outros setores da sociedade.”

Cultura: “Trabalhar leis voltadas a cultura inicial, artistas que estão se formando em início de carreira. Não faz nenhum sentido gastarmos dinheiro com artistas já formados e que faturam altíssimo. Para que financiarmos shows milionários de artistas já consagrados em suas áreas se temos tantos novos talentos emergindo e precisando de oportunidade? Cultura gera empregos, renda, fomenta o turismo, educa, afasta pessoas do crime e das drogas. Deve ter tratada com bastante seriedade, tirando inclusive cargos importantes da mão de aventureiros. Vide incêndio no museu da UFRJ.”

Rinaldo Wolf (PT)

Turismo: “O Brasil ocupa o primeiro lugar em recursos naturais no Ranking Mundial de Competitividade no Turismo, mas precisamos de incentivos e políticas públicas direcionadas para o setor. É preciso aumentar os recursos para promoção do Brasil no exterior. Um de cada dez empregos no mundo vem da atividade turística. Temos muitos projetos a trabalhar: Qualificação de trabalhadores nesse segmento; recuperar a imagem do país; combater o turismo sexual; oferecer segurança; mudar a política exploradora dos pedágios; e demonstrar toda nossa diversidade. O turismo brasileiro tem sol e praia, eventos culturais, religiosos, de negócios, de aventura, rural e ecoturismo. É só ter direcionamento porque recursos naturais não faltam.”

Cultura: “Vivemos um período em que artistas foram criminalizados, instituições culturais foram censuradas, segmentos foram abandonados. Devemos cobrar do próximo governo federal a ativação de toda cadeia produtiva do setor, o Brasil precisa cumprir a recomendação da UNESCO e aumentar progressivamente os recursos para o MinC para 1% do orçamento da União. Temos que dialogar com toda a comunidade cultural; colaborar com a criação de políticas públicas como o Cultura Viva e o Fundo Setorial do Audiovisual; incentivar os agentes das culturas tradicionais, populares e regionais, música, teatro, dança, circo e artes visuais; também lutaremos pela consolidação de uma política nacional para o livro, leitura e literatura.”

fotos: divulgação